Relatos de Marco Aurelio De Paoli

Viagem ao Uruguai no verão - Paraguai e Uruguai,

Tracklogs de uma viagem ao Uruguai passando pelo sul do Brasil e acampando na maioria das vezes.


Autor Marco Aurelio De Paoli
Ao longo do Jequitinhonha - Sudeste,

Viagem ao longo do Rio Jeqjuitinhonha, desde a nascente até a desembocadura no oceano Atlantico.

Marco e Tércia na Defender 90.


Autor Marco Aurelio De Paoli
Cachoeiras, nascentes e cavernas de Goiás - Centro Oeste,

Saída dia 5 de Julho, chegada em casa dia 22 de Julhode 2012.

Resumo dos 16 dias de viagem por Goiás.

Deslocamento total, ida e volta = 2400 km.

Passeio = 1400 km (a maior parte off-road com algumas trilhas).

Cachoeiras = 20 diferentes

Banhos de rio = 3 (com direito a repetições)

Nascentes = 2

Cavernas = 1 (a mais bonita do Terra Ronca, São Mateus)

Acampamentos em campings = 5 noites, sendo uma em uma praia de areias brancas em frente a uma cachoeira. Todos com um local ao lado para dar um mergulho.

Hóteis - 2 (ida e volta, Uberlândia e Catalão) mais um em Niquelândia e um em Iaciara (esse cobrava R$ 30,00 por pessoa com um bom café da manhã e ar-condicionado).

Hospedagem na casa de amigo = 3 noites.

Pousadas - 5 noites, sendo três na Aldeia Cayana em Cavalcante e duas na Pousada São Mateus no Terra Ronca. Ambas banhadas por rios transparentes onde se pode nadar.

Comida caipira = Fazenda Mirante, Dona Maria e nos Kalungas. Não dava para comer um prato só, tinha que repetir até sentir a barriga estourando de cheia.

 

A idéia original dessa viagem era andar de forma bastante tranquila e relaxada entre Pirenópolis e a região em torno do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, buscando as cachoeiras, os rios e chegando às cavernas do Terra Ronca. Tudo isso no estado de Goiás. 


Autor Marco Aurelio De Paoli
Rumo às praias do Pacífico - Chile, Bolívia, Peru,

Rumo às praias do Pacífico


Autor Marco Aurelio De Paoli
Expedição norte-nordeste do Brasil - Norte, Nordeste,

Expedição Norte – Nordeste

Julho de 2008

 

Marco- Tércia e Savana 2008

Saída, dia 6 de Julho, chegada dia 3 de Agosto de 2008.9.000 km percorridos.

Troca de óleo da Savana em Belém. Engraxou em Tianguá, CE, depois de lavar.

O objetivo dessa Expedição era conhecer Belem, o litoral oceanico do Pará, as re-entrancias maranhenses, rever os lençóis maranhenses e chegar a Jericoacoara. De lá voltamos pelo Piaui, Bahia, Goias, MG e SP.

 


Autor Marco Aurelio De Paoli
Puna com os amigos - Julho de 2010 - Argentina, Chile, Bolívia,

A “Puna de Atacama” (puna significa deserto em Quéchua e Atacama significa pato preto) é a região dos Andes onde fizemos esta Expedição. Ela é uma parte do Altiplano Andino localizada na região noroeste da Argentina. É uma região desértica e sem vegetação que fazia parte do território da Bolívia até o final do século XIX, quando foi tomada pelo Chile e Argentina depois da Guerra do Pacífico. Depois do final da guerra, no começo do século XX, houve ainda muita discórdia entre a Argentina e o Chile com relação às fronteiras. Hoje a maior parte da Puna é “compartilhada” pelos dois países limítrofes e a Bolívia ficou com uns 20 % da área original. O maior salar é o de Uyuni (Bolívia) e o segundo é o Arizzaro (Argentina). O Salar do Atacama (3º em tamanho) fica na parte chilena da Puna. A altitude nesta região varia entre 2.500 e 4.800 m nas partes planas, havendo montanhas de até 6.900 m. Ela contem muitos vulcões, salares, lagos salgados, minas ativas e minas abandonadas e planícies coloridas de areia. A flora é praticamente reduzida a uma vegetação rasteira e diversos tipos de cactus (entre eles os “cardones”).  A fauna tem a Vicuña, diversos tipos de “zorros” (lobos), raposas e outros pequenos mamíferos roedores, dentre eles a Viscacha. Nestas altitudes não há cobras ou qualquer animal peçonhento.

As grandes altitudes e a baixíssima umidade relativa do ar exigiram certo tempo de aclimatação, muita paciência com os nossos próprios organismos e cuidado no manejo do equipamento. Em Julho a temperatura estava suportável durante o dia (entre 2 e 16 oC), com muito vento, e muito fria durante a noite, chegando a muitos graus abaixo de zero de madrugada. Participaram dessa Expedição, Eu e a Tércia na Savana 2008 (Marylona), o João e a Marta na Savana 2005, o Neto, Fê e a Carol na Toyota Hi-Lux (2004) com suspensão Ironman, turbo e intercooler. Todas estavam equipadas para enfrentar o deserto, com snorkel (reduz a quantidade de poeira que entra no filtro), dois estepes, guincho, hi-lift, galões de combustível (40 L), pranchas para desatolar na areia, duas baterias, GPS, rádio e etc. Devido às baixas temperaturas, usamos aditivo anti-congelante no diesel a partir do trecho de Cachi até Fiambala. Na minha Savana ainda tinha um cilindro de oxigênio, para ser usado em caso de alguém passar mal em grandes altitudes.


Autor Marco Aurelio De Paoli


© 2009 - 2017 Viajantes 4x4 , Todos os Direitos Reservados