Mendoza, Malargüe e Villa Pehuenia - Argentina,

Esse relato é sobre a viagem que fiz ao oeste da Argentina em julho de 2013.

Mendoza é uma cidade agradável. Construída no deserto, todas as ruas são muito arborizadas graças a um bom sistema de irrigação. Situada aos pés da cordilheira dos Andes, as principais atrações são as vinícolas e montanhas. 

 

Parque San Martin

Parque San Martin, no centro de Mendoza


Há passeios guiados pelas principais vinícolas da região, que estão entre as melhores do mundo.

 

Bodega Tonel

Bodega los Toneles, dentro da cidade


As paisagens mais bonitas surgem quando vamos em direção aos Andes. O Paso los Libertadores é a principal ligação entre Argentina e o Chile. Para chegar nele há dois caminhos que se encontram em Uspallata. O mais novo e movimentado passa pela represa de Potrerillos, principal fonte de abastecimento de água da região. 

 

Caminho ao Paso Los libertadores

Caminho ao Paso Los Libertadores

 

 Uspallata é uma vila pequena, conhecido por ter sido a primeira base do exército do general San Martin durante a luta de libertação da Argentina do domínio espanhol. San Martin veio do Chile, onde junto a O'Higgins, lutou contra os espanhóis.

Seguindo em direção ao Chile chegamos à Puente del Inca, uma formação natural sobre o rio Las Cuevas. No local há nascentes de águas termais que estão fechadas ao público. Um pouco adiante entramos no Parque Provincial Aconcágua, onde a maior montanha das Américas pode ser vista a partir de um mirante próximo à estrada. Uma caminhada de duas horas leva a uma lagoa com uma bela vista da montanha. Infelizmente o tempo fechou e não foi possível fazer a caminhada.

 

Puente del Inca

Puente del Inca


Parque Aconcágua

Hora do lanche no Parque Aconcágua

 

Um pouco mais à frente está a fronteira com o Chile. O túnel Cristo Redentor, a sequência de curvas na descida (caracoles) e as belas paisagens são as atrações da estrada.

 

De Mendoza seguimos para Malargüe. O caminho mais bonito passa pelo Valle Grande e Cânion do rio Atuel. A estrada passa por dentro do cânion, acompanhando o leito do rio.

 

represa Valle Grande

Represa Valle Grande

 

Rio Atuel

Rio Atuel

 

Paisagens do Cânion

Paisagens do Cânion

 

Se a viagem for feita no verão, é possível ir a lugares cuja visitação é impossível no inverno devido ao acúmulo de neve: a Laguna Diamante e o vulcão El Sosneado. No caminho ao vulcão há um hotel abandonado e termas.

 

Ruta 40

Ruta 40 a caminho de Malargüe

 

 Em Malargüe a atração mais conhecida é a estação de esqui Las Leñas. Ela não é muito grande, mas possui pistas extensas. No caminho visitamos o Pozo de las Animas, uma grande dolina (formação geológica causada pelo desmoronamento do teto de uma caverna). Mais uma dica para quem for no verão: depois de Las Leñas fica o Valle Hermoso, com paisagens belíssimas.

 

Las Leñas

Fim de tarde em Las Leñas


Pozo de las Animas

Pozo de las Animas


Malargüe tem muito mais a oferecer. No dia seguinte fomos visitar o vulcão Malacara. Durante a última erupção, há cerca de 10.000 anos, uma parede lateral explodiu, deixando à mostra túneis e chaminés por onde passavam os fluxos de lava. Existem apenas dois vulcões assim, o outro fica no Canadá.

 

Vulcão Malacara

Vulcão Malacara

 

Malacara

Vulcão Malacara

 

No munícipio de Malargüe existem mais de 800 vulcões inativos. A maioria deles está no parque provincial La Payunia. A paisagem no parque é indescritível, as fotos não fazem jus à beleza da região. Para visitá-lo é obrigatória a contratação de um guia. A vantagem de ir com um 4x4 é que com ele é possível fazer um circuito, indo por uma bela estrada de terra e voltando pelo asfalto. Com as vans das agências de turismo se vai e volta pelo mesmo caminho.

 

La Payunia

La Payunia - Vulcão Payún Matru


La Payunia

La Payunia

 

La Payunia

La Payunia

 

De Malarqüe seguimos para Villa Pehuenia. A viagem pode ser feita em 1 dia, mas como existe a possibilidade de fechamento da estrada devido às nevascas decidimos dormir no caminho. Fomos então para Chos Malal, uma cidadezinha simpática próxima a atrações como o vulcão Tromen e a região de Andacollo. 

 

Caminho ao vulcão Tromen

Caminho ao vulcão Tromen

 

Villa Pehuenia é uma atração à parte: situada na região dos lagos e desconhecida por muitos brasileiros, possui paisagens incríveis. Margeando os lagos Aluminé e Moquehue existem inúmeras praias e bosques de araucárias (chamadas de Pehuén no idioma Mapuche). 

 

Caminhos perto do lago

Caminhos perto do lago Aluminé


Praia

Praia no lago Aluminé

 

Encontro lagos

Encontro dos lagos Aluminé e Moquehue

 

Para aprender a esquiar ou brincar na neve não há lugar melhor que o parque de neve Batea Mahuida. Situado aos pés do vulcão Batea Mahuida, tem muitos lugares para curtir a neve em suas encostas pouco inclinadas. É como se fosse uma grande "praia" de inverno. A vista para o lago Aluminé e os vulcões Lanin, Villarrica e Llaima (os 2 últimos no Chile) completam a paisagem. Essa região está a poucos quilômetros do Chile. O Paso Icalma nos leva ao Parque Nacional Conguillio, no país vizinho. Pehuenia tem muito a oferecer ao turista aventureiro, tanto no inverno quanto no verão.

 

Vulcão Batea Mahuida

Vulcão Batea Mahuida


Batea

Curtindo o frio no Batea Mahuida

 

Num dia encontramos um grupo de jipeiros que nos convidou a participar de uma travessia em direção a um antigo paso fronteiriço abandonado, o Paso del Arco. Seguimos até onde a neve deixou. Foi um dia muito divertido com direito a aulas de condução na neve dadas pelos simpáticos "Toyoteros" argentinos. A camaradagem dos jipeiros não tem fronteiras, fizemos novos amigos.

 

Caminho ao Paso del Arco

Caminho ao Paso del Arco

 

Caminho ao Paso del Arco

Caminho ao Paso del Arco

Passamos dias agradáveis com muito sol, mas estávamos um pouco frustados por não ver neve caindo. No dia em que fomos embora a cidade amanheceu branquinha, coberta com uma boa camada de neve. Na estrada também nevou bastante, foi a despedida ideal para uma viagem perfeita.


Neve em Pehuenia

Neve em Pehunia

 

 Neve na estrada

Neve na estrada, em Primeros Pinos


Voltamos por Buenos Aires, onde pegamos a balsa (Buquebus) para Colônia del Sacramento no Uruguai. Colônia é uma bela cidade fundada por portugueses às margens do rio da Prata. Abastecemos a dispensa com uma boa reserva de doces de leite Lapataya e voltamos ao Brasil por Chuí.

 

Colonia

Colonia del Sacramento


Colonia

Colonia del Sacramento

 

Foram 20 dias de viagem e 10.000 km percorridos. Não posso deixar de agradecer ao apoio dado pelos meus amigos argentinos: Pedro e Adriana em Mendoza, "Buda" de Bahia Blanca e a todos do Suzukiclub, que me fizeram sentir em casa na Argentina.




Arquivos Mapas/GPS




© 2009 - 2017 Viajantes 4x4 , Todos os Direitos Reservados